Foto Colunista

POR Bruno Pereira

Para onde existe: amor

Colunistas / 01.09.16

Não existe amor. Não hesite no amor. Não, existe amor. Mas o amor, sentimento e apego profundo ao outro, é observado e sentido nos detalhes, na sutileza, na brisa que sussurra no seu ouvido um breve, simples e intenso “eu te amo”. Se nunca escutou, perceba o silêncio, aprecie-o. Se ainda assim não escutar, repare nos atos. Amamos, sobretudo, pelo que fazemos, pelo mimo, pelo pequeno gesto, pelo dar-se ao outro de maneira quase ou fatalmente irremediável. Mesmo que usasse todas as palavras existentes no mundo, nenhuma teria o mesmo impacto, a mesma força e o mesmo amor de um carinho. De um abraço. De um sorriso. De um beijo. Ou meramente de uma surpresa. O momento de um gesto, surpreendente, é maravilhado e maravilhoso, e eterniza-se. Te eternizei em alguns momentos, mesmo sabendo que era você vento. Tentei te entender por alguns segundos, mas entender pressupõe, depois de entendido, perder o interesse no que me interroga. Por isso, também, não entenda. Não quis criar expectativas, mas sempre, (in)conscientemente, esperamos. Deixei me tomar pela surpresa todas as vezes que tocava a campainha. E também quando passava uma era – glacial – sem tocá-la. Percebi seu tempo, tempestuoso; percebi suas fugas, suas vontades e anseios; e me deixei levar. Mas sempre existe um ponto: este. Um ponto que é importante pensar na decisão, de-cisão, separação em dois: te espero para uma noite ou para além?! Mas não responda. Algumas coisas desaparecem tão magicamente quão surgiram – ou perduram. E estas vão para o céu. O amor, em SP, talvez esteja soterrado, apagado ou morto pelo cinza dos prédios, pela agitação e pelo ar plúmbeo. Mesmo que não exista mais amor em SP, apenas SP, aqui, onde todos vão para céu, aos pés do Redentor, aqui, sim, prefiro acreditar, existe o mais importante (, porra): amor.

_____________

Bruno Pereira é carioca; 26 anos; virgem com ascendente em câncer e lua em libra; assino Bruno P.; beletrista pela UFRJ; pós-graduando em Literatura; professor; ator amador no palco da vida; modelo; penso bastante, falo às vezes, escrevo sempre: escrevedor, menos escritor.

_____________________________________________________________

Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do Site BH. Possibilitamos que o leitor conheça opiniões diversificadas sobre os assuntos em pauta nas mídias sociais. Sempre iremos expor visões diferentes para que o leitor se questione, questione o mundo ao seu redor e, principalmente, corra do senso comum. Quer ver o seu texto por aqui? Mande para redacaositebh@gmail go to these guys.com

Deixe uma resposta

*

ARQUIVOS

BH NO INSTAGRAM

FOLLOW @BARBARAHELLEN

BH NO FACEBOOK

www.000webhost.com