Foto Colunista

POR Bárbara Hellen

Livre

Colunistas / 10.09.15

A se notar pelo nome escolhido para a minha coluna, dá para perceber que sempre fui curiosa em relação à liberdade. Talvez por isso que o livro “Livre”, de Cheryl Strayed, entrou para a minha lista de escolhidos para 2015. A capa estampa a frase “a jornada de uma mulher em busca do recomeço” e isso me deixou bastante curiosa. Afinal, nós buscamos recomeços, a cada tropeço, a cada decepção, a cada tentativa que não deu certo. Assim, senti que algo naquele livro poderia me acrescentar.

A história é envolvente. Trata-se de uma jovem mulher, de 22 anos, que se vê sozinha e perdida após a morte da mãe e de um divórcio não tão inesperado. Cheryl, antes de buscar um recomeço, envolve-se com drogas e é a responsável por destruir o que restava de sanidade em sua vida. Em uma tentativa de se recompor e com um instinto de que a trilha Pacific Crest Trail, com mais de 1700 quilômetros, poderia ser uma saída para o seus problemas, ela parte para a sua primeira caminhada de longa distância. Sem preparo algum e sozinha (!), ela caminha por mais de dois meses em uma trilha difícil até para quem se prepara e em um ano que a dificuldade aumentou à medida que os flocos de neve cobriam as montanhas.

Uma jornada incrível! Tão nossa quanto dela! Uma jornada de recomeço que traz aprendizados a cada página, mas que se conclui com um pequeno pensamento: não há outra opção do que sempre seguir em frente. Cheryl chega a pensar que poderia morrer na trilha, mas ela não tinha outra opção, somente caminhar em frente. Apesar das dores, dos pesos, dos pensamentos sombrios, dos males, da solidão. Não existia outra opção senão seguir em frente. E a vida também não é assim?

Naquela trilha – e também na trilha que é a nossa vida – o que ficou para trás pouco importa. O que importa, mesmo, é que todas as feridas servem de lição: enquanto Cheryl perdia as unhas dos pés, nós também podemos perder pessoas ou situações. Mas isso não pode nunca nos fazer parar no meio do caminho. Afinal, enquanto no livro a noite jamais espera, na vida real as oportunidades não ligarão para as suas perdas.

Devido a sua falta de experiência com a trilha, Cheryl leva uma bolsa muito mais pesada do que deveria – o que torna a sua caminhada mais lenta e dolorosa. Em certo momento, ela tem a ajuda de outro caminhante para escolher o que continuaria na bolsa e o que ficaria ali, naquele local. Também carregamos cargas maiores do que devemos. Não são cargas físicas, mas aquelas emocionais: sejam as familiares, os traumas de escola, os planos que não deram. Para que possamos continuar a caminhar, é preciso parar e tirar um pouco dessas cargas. Algumas continuam a caminhar conosco, pois são necessárias a nossa própria sobrevivência. Mas outras podem ficar por ali, no meio do caminho… E, às vezes, é necessário da ajuda de alguém para decidir o que vai e o que fica.

Só de me imaginar nas situações que ela passou, pensei o quanto ela foi corajosa e o quanto deveríamos trazer um pouco dessa coragem para a nossa vida. Coragem de recomeçar a cada dia, a cada caminhada. Coragem de seguir o nosso rumo, apesar de tudo. Apenas seguir, sem pensar muito. Só seguir em frente! A trilha que cada pessoa escolhe para a sua própria vida é como se fosse uma PCT (Pacific Crest Trail) – só que com muitos quilômetros a mais! Cada trilha é única. E apesar dos desvios – que também acontecem no livro – foi feliz concluir e perceber que a linha de chegada estará lá, não importa quantos dias demorem para que possamos concluir a jornada.

“Eu sou um caminhante lento, mas eu nunca caminho para trás”
Abraham Lincoln

Para entender melhor, leia Livre de Cheryl Strayed.

_____________

Bárbara Hellen é jornalista. Troca qualquer coisa um bom livro ou um sábado na praia. Tagarela e cheia das opiniões, adora conversar sobre política e religião… Ou sobre qualquer outra coisa. Ama Fernando Pessoa e cai no clichê ao crer que sim, tudo vale a pena se a alma não é pequena.

_____________________________________________________________

Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do Site BH. Possibilitamos que o leitor conheça opiniões diversificadas sobre os assuntos em pauta nas mídias sociais. Sempre iremos expor visões diferentes para que o leitor se questione, questione o mundo ao seu redor e, principalmente, corra do senso comum. Quer ver o seu texto por aqui? Mande para redacaositebh@gmail.com

Uma resposta para “Livre”

  1. Já quero ler! Interessante como a imagem da caminhada se molda com nossa vida! Realmente, a escolha da bagagem levada e da adquirida influencia, facilitando ou dificultando nossa caminhada! Ótimo texto!!!

Deixe uma resposta

*

ARQUIVOS

BH NO INSTAGRAM

FOLLOW @BARBARAHELLEN

BH NO FACEBOOK

www.000webhost.com