Foto Colunista

POR Bárbara Hellen

Momentos de vida

Colunas / 26.05.15

Ainda na universidade, percebi que não me interessava tanto por jornal e nem por TV. Meu maior interesse era a internet e suas possibilidades, inclusive a de conversão entre os três outros meios (rádio, tv e jornal). Tudo em um clique. Conclui a universidade com o pé no jornalismo digital, com minha monografia “Traços do jornalismo impresso no jornalismo online”.

Tenho todas as redes sociais possíveis. Adoro, busco, sei como mexer no básico de tudo…  Estar conectada é uma diversão para mim. E a diversão virou trabalho: hoje passo o dia todo na internet, seja atualizando as redes sociais do #sitebh ou dando uma olhada em possíveis novos conteúdos, verificando erros, melhorias, acessos. Passo, literalmente, o dia inteiro verificando coisas de trabalho no computador e sempre verificando tudo que acontece pelo whatsapp, tudo que está sendo comentado. E esse tudo acaba aqui no site, pois ideias surgem e viram o conteúdo que vemos por aqui.

E por ser tão conectada, posso afirmar: estar sempre conectado não é sinônimo de estar bem informado. Ler muito na internet é muitas vezes ler mal. Ter muitos seguidores não é sinônimo de boas amizades e de ser querido, amado e admirado. O filtro das fotos não apaga os defeitos da alma. E quanto mais tempo você está conectado é menos tempo que você tem para aproveitar muitos momentos que a vida pode te proporcionar.

Uma água de coco na praia com o som do mar de fundo. Um bom papo com as amigas sobre aquele momento engraçado que vocês viveram juntas. Uma tarde brincando com seus cachorros e irmãos que faz você perder a hora.

Esses são os momentos de vida. Momentos que não precisam de um celular. Mas que precisam de você presente, 100%, para enxergar a mágica.

Tem coisa mais irritante do que não receber a atenção de alguém por essa pessoa estar preocupada com o que se passa nas redes sociais? Redes sociais que deveriam ser apenas um reflexo parcial do que acontece? Não estar 100% presente é não viver 100%, de corpo e alma.

Vale a pena botar o celular na bolsa quando se está em uma reunião de amigas, ou na casa de parentes, ou simplesmente optar pelo celular em um daqueles momentos sem fazer nada. Que o celular e a internet fiquem para os momentos de trabalho, e que os nossos momentos de lazer sejam no olho no olho, no contato.  Mudar alguns hábitos, melhorar a nossa qualidade de vida e saber que a prioridade do contato físico nunca será substituída por nenhuma tecnologia.

_________

Bárbara Hellen é jornalista. Troca qualquer coisa por uma boa conversa, um bom livro ou um sábado na praia. Ela admite: é tagarela, cheia das opiniões, perfeccionista e organizada. Adora conversar sobre política, mercado de trabalho e religião. Otimista, crê que tudo vale a pena se a alma não é pequena.

_____________________________________________________________

Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do Site BH. Possibilitamos que o leitor conheça opiniões diversificadas sobre os assuntos em pauta nas mídias sociais. Sempre iremos expor visões diferentes para que o leitor se questione, questione o mundo ao seu redor e, principalmente, corra do senso comum. Quer ver o seu texto por aqui? Mande para redacaositebh@gmail.com

Seja o primeiro a curtir.

Deixe uma resposta

*

ARQUIVOS

BH NO INSTAGRAM

FOLLOW @BARBARAHELLEN

BH NO FACEBOOK

www.000webhost.com